Tijuca sente os efeitos da Copa

Entre janeiro e junho deste ano, o preço de venda do metro quadrado na região da Grande Tijuca registrou valorização de 4,66%, acima da média da cidade que subiu 1,78% no mesmo período. O levantamento é do Sindicato da Habitação, o Secovi-Rio. - De maneira geral, os preços estão registrando desaceleração. Mas a Grande Tijuca já havia sentido o efeito da infraestrutura feita para a Copa. Com isso, os proprietários resistem em rever os preços e continuam pedindo valores mais altos - explica Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi-Rio, lembrando que a partir do segundo semestre, os preços podem sofrer novos ajustes, para baixo. VILA ISABEL É ALTERNATIVA  Já no caso da locação, a situação varia conforme o bairro. Enquanto no Rio, houve aumento médio de 10,89% nos valores dos aluguéis, na Tijuca, os preços caíram, 2,89%; em Vila Isabel, eles se valorizaram 9,64%; e no Maracanã, 2,34%. É que ali, o número maior de ofertas na região acabou levando os preços de bairros mais procurados - e também com mais infraestrutura, como Tijuca e Maracanã - a patamares altos demais. Agora, essa valorização vai perdendo força e em alguns casos, começa a haver quedas. Por outro lado, bairros vizinhos como Vila Isabel surgem como alternativa mais barata para quem quer a região: - E aí, o natural é que o bairro, que ainda não tinha tido uma valorização tão forte como a da Tijuca e a do Maracanã, tenha uma variação mais alta - diz Schneider. Fonte: Jornal O Globo - 06/07/2014