Oferta diversificada para morar ou investir

A retomada dos investimentos públicos, particularmente em mobilidade urbana, a ampliação do emprego e da renda, a instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e a realização de grandes eventos esportivos são alguns dos fatores responsáveis pela manutenção do aquecimento do mercado imobiliário na cidade e no estado do Rio de Janeiro. "O setor se expande em diferentes direções, atendendo a diferentes camadas da sociedade. Há variedade na oferta para todas as necessidades e possibilidades", diz João Paulo Matos, presidente da Associação de Dirigentes das Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi). O otimismo de Matos é partilhado por especialistas, que identificam um ritmo crescente de valorização em diversas regiões: das tradicionais Zona Oeste. e Zona Sul, mas também no Centro, Zona Portuária, Zona Norte e no interior do estado. "Esse movimento identificado no Rio acontece no País inteiro por conta do aumento do poder aquisitivo da população e da capacidade de crédito", diz o economista Eduardo Moreira, sócio da empresa Geração Futura. De fato, informações da Caixa Econômica Federal, maior agente de crédito imobiliário no país, atestam que a oferta de financiamentos em condições vantajosas contribuem para incrementar o cenário, tornando a aquisição de unidades residenciais, comerciais e corporativas uma ótima opção de investimento, capaz de trazer, além de segurança, lucratividade. Outras modalidades de aplicação no mercado imobiliário surgem como alternativa para quem deseja diversificar Fundos de Investimentos Imobiliários contam como atrativo de isenção do Imposto de Renda para pessoas físicas e são acessíveis aos pequenos e médios investidores; a compra direta de cotas de empreendimentos hoteleiros é uma novidade que também vêm atraindo atenções.
Seja qual for a preferência do investidor, uma coisa é certa: o mercado imobiliário do Rio de Janeiro, que vive um momento de grandes transformações urbanas, oferece oportunidades de negócios e investimentos para todos os bolsos.
Fonte: Jornal O Globo - 28/11/2013