• Homepage
  • >
  • Mercado
  • >
  • Vidigal é cada vez mais cobiçado por estrangeiros e até cariocas

Vidigal é cada vez mais cobiçado por estrangeiros e até cariocas

Com uma das mais belas vistas do Rio, o Vidigal virou a favela queridinha de brasileiros e estrangeiros, que procuram cada vez mais a comunidade para viver ou fazer negócios. O sucesso é tão grande, que tem alimentado boatos de que o ex-jogador David Beckham e a cantora Rihanna também já compraram imóveis no morro. Além de famosos, a favela encantou o administrador Felipe Cerqueira, morador do Leblon, que decidiu comprar quatro casas pequenas e transformá-las num imóvel só, de dois andares e 305 metros quadrados - mas não para se mudar para lá.
- Passo parte da semana no Rio e o restante em São Paulo - conta. - Decidi construir a casa para receber os amigos de São Paulo quando eles vierem ao Rio. Fiz questão de contratar apenas moradores do Vidigal para construir o imóvel. O primeiro evento da casa será a festa do réveillon deste ano.
O presidente da Associação de Moradores do Vidigal, Marcelo da Silva, confirma a mudança no perfil da comunidade:
novas, de classe média, estrangeiros, gente que não foi criada aqui.
- Essa mudança acontece há alguns anos, mas ficou, sim, mais forte depois da pacificação. É difícil precisar, mas acredito que hoje 30% da comunidade seja de pessoas
Segundo Jonas Barcellos, um dos donos da imobiliária Bella Vista, que funciona dentro da comunidade, o alto do morro já é todo dominado por estrangeiros.
- Lá encontramos franceses, espanhóis, alemães. O Vidigal, de uma maneira geral, está atraindo a classe média. E o pessoal mais humilde ou que vendeu as casas para esses novos moradores está voltando para a terrinha (Nordeste). Ou então se mudando para outros locais do Rio, mais afastados - disse.
O designer gráfico alemão André Kooler é um representante do novo perfil de morador do Vidigal. Cansado de pagar caro para viver no Alto Leblon, ele decidiu subir o morro há quatro anos:
- Moro numa casa de 75 metros quadrados com dois quartos, duas salas, dois banheiros e cozinha. Pagava um aluguel de R$ 500, mas este ano ele foi reajustado para R$ 1.200. O aumento é grande, mas ainda é melhor que pagar os quase R$ 2 mil que eu desembolsava no Leblon.
O namoro com a comunidade começa logo na primeira visita. Foi o caso do comissário de bordo francês Denies Testard, que foi semana passada ao Vidigal. Depois de experimentar um prato de feijão regado a caipirinha, diante da paisagem de tirar o fôlego, ele declarou seu amor instantâneo pela cidade e disse que já cogita alçar voos maiores na comunidade.
- Não é a minha primeira vez no Rio, mas é a primeira oportunidade que tenho de ver a cidade daqui de cima. Subi de moto, foi uma aventura. Entendo o interesse de quem vem morar aqui. Quem sabe um dia também não me aventuro a me mudar para cá? - comenta.
Tanto sucesso tem seu preço: o custo de vida ficou mais alto, o que tem expulsado antigos moradores. Um desses casos de migração foi o do sogro de Roberto Lamindo Nascimento, dono da Casa da Tapioca, um dos points do Vidigal.
- Ele conseguiu vender sua antiga casa aqui por R$ 150 mil e não pensou duas vezes: foi embora - conta Roberto. - Aqui é muito bonito, mas as pessoas esquecem que a gente enfrenta problemas de infraestrutura. As ruas são muito estreitas, faltam água e luz praticamente toda semana, especialmente na parte mais alta do morro. A gente tem que se virar. Então quem pode sai daqui, sim.
Quem em breve também sairá é a manicure Débora Brandão. Em fevereiro, ela deixará o Vidigal com o marido e a filha. Seu novo endereço será em Duque de Caxias. Culpa do custo de vida.
- Tudo está mais caro - diz ela. - O pão que antes custava R$ 0,20 agora está R$ 0,50. O bujão de gás que custava R$ 45 agora sai a R$ 60. Mas o maior problema é o aluguel. Eu pagava R$ 300 (por um quarto e sala) e agora estou pagando quase R$ 800. Não dá mais para aguentar.
Segundo o cientista social e professor da Uerj Paulo Jorge Ribeiro, o Vidigal passa por um processo de gentrificação (renovação de áreas pobres, com a chegada de moradores de classe média e valorização imobiliária, que acaba afastando antigos habitantes):
- Isso aconteceu em grandes centros do mundo, como Nova York. A pacificação tem esse lado também, de levar segurança às classes média e alta da sociedade. Com isso, aquele espaço da comunidade passa a interessar, a sofrer com a especulação imobiliária, e o Vidigal está localizado na Zona Sul. Assim, as pessoas mais humildes são praticamente expulsas de lá, ficam longe do trabalho, vão ser obrigadas a perder mais tempo no transporte público. Não existe apoio do poder público a essas pessoas. Esse processo é bem parecido com o que fez Pereira Passos (prefeito que promoveu uma grande reforma urbana na cidade no início do século XX).
Já acostumado a ver antigos amigos mudando de endereço, João Ricardo de Mattos, o Dinho da Oficina, lamenta a nova realidade:
- Antigamente, a gente sabia quem era todo mundo aqui. Agora, não. É tanto rosto desconhecido. Tem muito estrangeiro aqui. No fim de semana, sempre tem festa, e bem cara. O pessoal da comunidade não vai.
METRO QUADRADO R$ 7 MIL
Segundo o vice-presidente do Sindicato de Habitação do Rio, Leonardo Schneider, o metro quadrado do Vidigal custa hoje entre R$ 5 mil e R$ 7 mil:
- O valor é alto para uma comunidade. Em Campo Grande, por exemplo, custa R$ 6.500. O Vidigal é a favela com mais glamour do Rio, a mais procurada por estrangeiros. A tendência é que, a longo prazo, se transforme mesmo num bairro de classe média.
Os valores dos imóveis na favela já refletem essa realidade.
- Se o imóvel tiver uma vista bonita, o preço aumenta ainda mais - diz Jonas Barcellos. - A gente encontra aqui casas de R$ 60 mil até R$ 4 milhões.
Fonte: O Globo, 26 de outubro