Câncer de Próstata

O câncer de próstata é um tumor que acomete homens maduros e pode ser curado quando ainda está localizado. Se identificado já em estádio avançado, o risco de sobrevida do paciente é muito menor. Portanto, o diagnóstico precoce é fundamental no controle e cura da doença.
É o tipo de câncer que ocorre na próstata: glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis.

Fatores de risco
Antecedente familiar assume grande importância:
Um paciente cujo pai ou tio tiveram câncer de próstata tem o dobro de risco para desenvolver a doença do que a população em geral;
O risco é ainda maior para os homens que têm um irmão com a doença. Se o paciente tiver menos de 65 anos e mais de um parente afetado pela doença, o risco aumenta de 6 a 11 vezes;
Pacientes com parentes do primeiro grau com câncer de próstata diagnosticados com menos de 55 anos podem ser portadores de câncer de próstata hereditário (menos de 2% dos casos).

Outros fatores de risco que podem influenciar para o aparecimento da doença:

Alimentação (dieta rica em gordura e carne vermelha, pobre em legumes, vegetais e frutas);
Sedentarismo e obesidade (estes pacientes tem câncer de próstata mais agressivo);
Taxas de estrogênio (quanto maior a taxa, maior o risco);
Etnia (negros têm maior incidência, enquanto descendentes asiáticos apresentam menor);
Região onde se vive (americanos têm mais câncer de próstata que asiáticos);
Nível de poluição ambiental, assim como contato com derivados de borracha e substâncias como ferro, cromo, chumbo e cádmio.
O valor do PSA para predizer a chance de câncer de próstata no futuro do paciente. Pacientes com PSA menor que 1 ng/ml tem chance menor que 5% de apresentarem câncer de próstata num seguimento de 10 anos.

Sintomas
Os sintomas de câncer de próstata geralmente só se manifestam quando a doença já está em um estágio mais avançado, quando passa a causar problemas como dificuldade para urinar e impotência sexual.

É preciso estar atento aos seguintes sinais:

Dificuldade para urinar;
Diminuição da quantidade de urina;
Dificuldade em interromper a passagem da urina;
Vontade frequente para urinar, acordando várias vezes durante a noite para ir ao banheiro;
Sensação de que a bexiga ainda está cheia, mesmo após urinar;
Urinar em gotas;
Dor na região dos testículos;
Impotência ou dificuldade para manter a ereção;
Dor ao ejacular;
Presença de sangue no sêmen.

Nos casos mais avançados, em que a próstata está muito crescida ou que tenha ocorrido metástase do câncer para outras regiões do corpo, os sintomas podem incluir:
Incontinência urinária ou fecal;
Fraqueza nas pernas;
Dor nos ossos;
Insuficiência renal.

Tratamento
O tratamento para câncer de próstata é feito de acordo com o estágio da doença e do estado de saúde do paciente. Normalmente o tratamento é feito com:

Cirurgia: é o tratamento mais utilizado, pois retira a próstata e nos casos iniciais da doença, traz a cura total;
Radioterapia: usada nos casos em que a cirurgia está contraindicada ou quando o paciente não quer ser operado;
Hormônios: são usados para controlar a produção de hormônios que promovem o desenvolvimento da doença.
No entanto, nos casos mais avançados da doença normalmente são utilizados dois desses métodos de tratamento, sendo muitas vezes necessário retirar além da próstata, os testículos também.

Prevenção
Alguns médicos recomendam a realização do toque retal e da dosagem do PSA a todos os homens acima de 50 anos. Para aqueles com história familiar de câncer de próstata (pai ou irmão) antes dos 60 anos, os especialistas recomendam realizar esses exames a partir dos 40 anos. Entretanto, vale lembrar que somente o médico pode orientar quanto aos riscos e benefícios da realização desses exames. Não existem evidências de que a realização periódica do toque retal e dosagem de PSA em homens que não apresentem sintomas diminua a mortalidade por câncer de próstata.

O exame de toque
O médico pode avaliar o tamanho da próstata através do toque retal, que pode ficar maior e mais dura quando ocorre alguma inflamação. Este exame é muito rápido, demorando cerca de 1 minuto e causa apenas um leve desconforto.

Preparo para toque retal: não é necessário realizar nenhuma preparação, porém, para facilitar a realização do exame o médico pode indicar a toma de um laxante para limpar o intestino e, durante o exame o paciente deve permanecer de pé ligeiramente inclinado e contrair os músculos da região pélvica.