Um quarto volta à cena

  Na contramão de quem busca i móveis amplos, com mais de dois quartos, há interessados em unidades de quarto e sala, tipologia antes encontrada em prédios mais antigos. Hoje, as construtoras voltam a investir no modelo, atraídas pela demanda. "Os clientes que procuram um quarto e sala geralmente são jovens universitários, solteiros, divorciados, executivos e casais da Terceira Idade que desejam praticidade e conforto", explica Sandro Sawala, diretor da Sawala Imobiliária. Ariovaldo Rocha Filho, diretor da Brasil Brokers, cita o Genesis, lançamento da Leduca na Freguesi a, c omo exemplo de vendas expressivas por causa das unidades de um quarto. "Em um bairro tradicional por receber condomínios mais espaçosos, com t rês, quatro quartos, também identificamos no caso do Genesis muitos pais comprando imóveis de sala e quarto para os filhos, além de investidores", afirma. O Genesis, na Estrada dos Três Rios, terá dois prédios residenciais com serviços payper-use (pague somente se usar) e um comercial, totalizando 407 unidades. Destas, 140 são de um quarto. "Os futuros moradores viverão em condomínio com a comodidade de um residencial com serviços e centro empresarial integrados", diz Paulo Marques, sócio-diretor da Leduca. No mesmo bairro, o Grupo Avanço Aliados oferece a tipologia no Araguaia Concept i on Residences, que teve 80% das unidades vendidos em uma tarde. O prédio contará com lazer completo e itens de automação residencial, além de fechadura biométrica (leitura por meio da impressões digitais). Na Taquara, a MR2 e a Martinelli projetaram para o Connect Life-Work-Trade mais de 100 unidades de sala e quarto. Identificaram grande interesse, principalmente do investidor. "Tivemos um cliente, por exemplo, que comprou cinco unidades de um quarto para investir na locação. Esse tipo é o carro-chefe do Connect", ressalta Marco Túlio Costa, diretor da MR2. Segundo ele, as unidades hoje têm preços a partir de R$ 192 mil. Contratos de locação estão em alta Não é apenas na compra e venda que as unidades de sala e quarto registram alta. Na locação, o cenário é de aquecimento. Na Precisão Administradora, por exemplo, a maioria das pessoas que opta por este tipo de imóvel é de jovens em busca da independência ou estudantes que vêm para faculdades no Rio. "O bairro mais procurado é Copacabana por ainda oferecer preço de aluguel mais acessível", afirma Daniele Souza, gerente de locação. O preço médio, segundo ela, fica entre R$ 2 mil e R$2.500. Para quem quer alugar, ela orienta pesquisar o mercado para saber os valores praticados na região, além de conservar bem o imóvel, em especial no que diz respeito às instalações elétricas e hidráulicas e procurar imobiliária de confiança.   Fonte: O Dia, Cristiane Campos - 22/06/2014