• Homepage
  • >
  • Mercado
  • >
  • Recuperação do entorno do Maracanã, um gol de placa

Recuperação do entorno do Maracanã, um gol de placa

  Aos 18 anos, Saturnino Duarte Filho assistiu da arquibancada do Maracanã à derrota do Brasil para o Uruguai na final da Copa de 50. Hoje, com 82 anos, mora bem em frente ao estádio e, com ou sem o Brasil na final, faz questão de participar mais uma vez do evento, só que agora da janela de casa. Saturnino e outros vizinhos já convidaram os amigos e estão preparando a festa para os dias de jogos. Mas há também os que pretendem se trancar no quarto ou fugir do agito que se anuncia. De uma maneira ou de outra, com uma coisa todos concordam: o entorno do estádio ganhou um upgrade, um legado que muitos já aproveitam. Os moradores não negam a preocupação com os transtornos nos dias de jogos, mas comemoram a urbanização do entorno do Maracanã, essa sim definitiva. Apesar das falhas que já começam a surgir, como buracos na ciclovia, tudo é aproveitado na nova área de lazer. A reforma incluiu o recapeamento das calçadas e uma nova iluminação, tornando o entorno do estádio mais atraente e seguro. A passarela remodelada, que liga a estação do metrô à entrada do estádio, por exemplo, já foi transformada em pista de corrida. - A passarela é um ótimo lugar para trabalhar os músculos da panturrilha - diz Paulo Dante, de 78 anos, morador da Tijuca que há anos faz exercícios ao redor do Maracanã. Ele conta que, antes da reforma, as pistas eram mais estreitas, com piso irregular, o que tomava a corrida perigosa. A nova iluminação, que ganhou o reforço de 320 luminárias de LED e projetores que cobrem toda a extensão de três quilômetros da ciclovia, é a mais festejada. -Agora é possível até correr à noite - festeja Solange Mattos, moradora do bairro que há cinco anos pratica esportes ao redor do Maracanã. A área também foi arborizada, com o plantio de 122 palmeiras e 200 árvores nativas. Toda a revitalização custou RS 100 milhões, incluindo a passarela que liga o bairro à Quinta da Boa Vista. - Só espero que depois do torneio a manutenção do espaço seja mantida - comenta a dentista Danielle Alves.   Fonte: O Globo - 02/06/2014