As casas mais sustentáveis do mundo

Uso de fontes alternativas, reutilização da água e escolha criteriosa de materiais são alguns dos preceitos de uma obra verde. Mas o conceito da Earthship mostra que é possível causar ainda menos impacto ao meio ambiente.
Aplicar conceitos de sustentabilidade em projetos residenciais já deixou de ser tendência: é fato, em construções de todo o mundo. Uso de fontes alternativas, reutilização da água e escolha criteriosa de materiais são alguns dos preceitos de uma obra verde. Mas o conceito da Earthship mostra que é possível causar ainda menos impacto ao meio ambiente.
O sistema usa material reciclável em praticamente 100% das suas construções, entre eles, massa térmica nas paredes feitas a partir de pneus, que são preenchidos com terra - o que garante clima ameno no interior, independentemente da temperatura lá fora, dispensando o uso de climatizadores. Em alguns casos, latas de alumínio e garrafas são inseridas na composição das paredes.
Também fazem parte dos projetos janelas altas para a maior absorção de luz possível; energia eólica; produção doméstica de alimentos; coleta de água da chuva e neve para reuso; e tratamento próprio do esgoto da residência. Outra curiosidade é o formato das casas, de ferradura. A estrutura curvilínea visa a aumentar a incidência de luz em todos os cômodos, especialmente nos dias de pouco sol. O objetivo das Earthship é criar residências que dependam apenas de recursos naturais de energia, mas que também sejam economicamente viáveis.
Apesar de usar materiais reciclados, a Earthship tem uma preocupação com o design. Dentro das casas, há paisagismo e o conceito sustentável é inserido na decoração, a exemplo do uso de latas e garrafas em ornamentos de portas e fachadas, assim como as plantas dentro da casa, levando vida aos ambientes.
As casas Earthship são desenvolvidas e comercializadas pela Earthship Biotecture de Taos, Novo México, sendo que o arquiteto por trás do conceito é Michael Reynolds. O sistema de casas ecológicas existe há cerca de 40 anos, mas só agora tem se tornado mais conhecida. Para propagar a ideia, o grupo realiza fóruns, estágios e conferências.
Fonte: O Globo online, Morar Bem, 13 de setembro