Casa do futuro sustentável

  Com investimento de R$ 5 milhões, financiados por meio do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia e Elétrica (Aneel), foi lançada no Rio de Janeiro a plataforma de crowdsourcing (fonte de informações advindas do público) para o projeto Nós Vivemos o Amanhã (NO.V.A). Inédito no Brasil, o projeto é resultado de parceria entre a distribuidora de energia Ampla, a prefeitura de Niterói, a Fundação Getulio Vargas e a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), com o objetivo de construir uma moradia do futuro, que será sustentável. O professor titular do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico (CTC) da PUC-RJ, Reinaldo Castro, disse à Agência Brasil que a iniciativa vai além de projetos convencionais, que cuidam da sustentabilidade somente sob o ponto de vista energético. "Ele não é um desenho de arquitetos e especialistas de energia, mas vai nascer das manifestações das pessoas sobre o que gostariam de ver nas suas residências. A partir daí, o projeto é construído. Esse é um diferencial". Participação popular Através da plataforma digital interativa (nosvivemosoamanha.com.br), as pessoas vão poder dar ideias para a construção da moradia do futuro sustentável e com tecnologias inovadoras até o fim do primeiro semestre de 2015. Depois, um comitê avaliador vai definir quais ideias serão aplicadas. Os usuários que mais interagirem na plataforma ganham prêmios, como uma viagem para a Expo Milano 2015, principal evento internacional de Inovação e Tecnologia na Itália. Na segunda fase do projeto, até 2016, a casa será construída ao lado da Concha Acústica, em Niterói. O espaço será utilizado pela Ampla para estudos de eficiência energética e habitado por famílias que viverão nessa casa do futuro e poderão acompanhar, como em um reality show, quais são as reações em relação às facilidades e modernidades incluídos no projeto. "O objetivo é encontrar soluções inovadoras que melhorem as nossas vidas no futuro. A ideia é reproduzir, dentro de uma moradia que será construída por nós, soluções para problemas que nos afligem hoje. Serão sugestões para a construção e também para o que ficará nesse espaço: quais produtos e com quais funções", disse à Agência Brasil a diretora de Comunicação da Ampla, Janaina Vilella.   Fonte: Metro Rio - 04/12/2014