<




Confira algumas dicas para compor uma galeria de arte em casa

Confira algumas dicas para compor uma galeria de arte em casa

Fotos de família e gravuras sem destino certo é coisa do passado. A gallery wall, composição de quadros em uma única parede, está em alta. A gerente de produtos da Moldura Minuto, Priscilla Costa, afirma que o primeiro passo é usar recortes de papel kraft. Com essa técnica, é possível ver o espaço e ter uma ideia do resultado final. “Os papéis representam os quadros e é nessa hora que o morador pode mudar à vontade as posições e tamanhos de cada moldura”.

O segundo passo é escolher as imagens e gravuras. “As imagens dos quadros podem ser diferenciadas, o que precisa seguir uma linha são as tonalidades. Não há a necessidade de usar a mesma cor em todos os quadros, mas eles precisam conversar entre si. E, também, com o resto da decoração do ambiente”, afirma Priscilla.

Lulu Andrade, arquiteta e sócia do escritório Adoro Arquitetura, diz que o segredo para criar composições harmônicas é escolher um elemento comum para replicar. “Pode ser qualquer um: o formato das molduras, as cores, o material ou até o tema das obras que farão parte da composição”, comenta. Para criar a sensação de uma instalação maior, Lulu recomenda fixar os quadros encostados uns aos outros. “Para composições deste tipo, escolha molduras bem discretas e defina escalonamento dos grupos. Escolha o quadro que será a figura central e em seguida escolha os menores”, recomenda.

EM TODOS OS CÔMODOS

A composição de quadros pode ser usada em todos os cômodos da casa. O que pode mudar, diz Priscilla, é a quantidade de itens usados, já que será necessário levar em consideração o tamanho do espaço. “Quadros com estampas de frutas, cafés e comidas, por exemplo, ficam melhores em cozinhas. Flores e lavanda, em banheiros. E, por fim, as salas e quartos recebem as mais diferentes estampas, desde abstrato até seguindo algum tipo de tema”, orienta.

Outra dica é a escolha do tipo de vidro que, segundo a profissional, acaba sendo tão importante quanto a moldura e a obra. “Os vidros mais indicados são os conhecidos como float e antirreflexo. Tudo vai depender do estilo de decoração do morador”, diz a gerente.

O antirreflexo tem um vidro fosco e pode ser aplicado em quadros, janelas e vitrines. “Além disso, ele possui uma película invisível que é colocada no processo de fabricação do vidro e que inibe consideravelmente os reflexos de luz natural ou artificial. Nesse caso, a foto poderá ser impressa em dois modelos de papel, com ou sem brilho”. Já o float, também conhecido como liso ou comum, é totalmente transparente e acaba refletindo a luz, não sendo ideal para ambientes que recebem muita iluminação.

Segundo Priscilla, o vidro transparente pode grudar na imagem caso seja impressa com papel brilhoso. Por isso, nesse caso, a sugestão é escolher o sem brilho ou o semi-brilho. Para finalizar a composição, é preciso escolher a moldura. Na Moldura Minuto, são mais de 400 tipos com diversos formatos, como os oitavados, os sextavados e os tradicionais quadrados e retângulos.

Fotos e obras assinadas

Gráficas, abstratas ou conceituais, de paisagem natural ou urbana, as fotografias são muito usadas na composição da gallery wall. “Se a composição incluir fotos de família, prefira em preto e branco ou sépia, que valorizam e conferem atmosfera artística e retrô”, sugere Lulu Andrade. Para quem tem quadros com molduras de diferentes formas e tamanhos, uma opção é concentrar numa mesma parede as que tiverem a mesma cor.

E, no caso das sonhadas obras assinadas, se a pintura for grande, a profissional orienta escolher a parede mais importante da sala para valorizar a obra. “Se for uma gravura pequena, é possível criar composições tentando respeitar que os quadros e objetos que farão parte do conjunto tenham valor artístico semelhante, para não desvalorizar a obra principal”.

Fonte: O Dia – 12/03/2017